A ONU está preocupada com o retrocesso social no Brasil

Tudo muito estranho por estas bandas. A mídia comercial conservadora omite informações relevantes como, por exemplo, a condenação dos planos do governo Temer de congelar os gastos sociais no Brasil por 20 anos feitas por Philip Alsotn, relator especial da ONU para extrema pobreza e direitos humanos. Essa informção foi divulgada em sites do exterior. 




Por Mário Augusto Jakobskind
Fuente: Brasil Popular



No entender de Alston, os planos de Temer são inteiramente incompatíveis com as obrigações referentes ao cumprimento dos direitos humanos por parte do país.

Ao jusitificar o seu posicionamento, Alson alertou que se a tal PEC-55, tão defendida pelo governo usurpador, for aprovada “bloqueará gastos em níveis inadequados e rapidamente decrescentes na saúde, educação e segurança social, colocando, portanto, toda uma geração futura em risco de receber uma proteção social muito abaixo dos níveis atuais”.

Como se não bastasse, os aliados dos golpistas estão querendo desde já anular a delação premiada de Claudio Melo Filho, da Odebrecht incriminando o próprio Michel Temer e alguns de seus ministros mais próximos como Eliseu Padilha e Moreira Franco. O motivo alegado é que houve vazamento da informação.

Os aliados de Temer, segundo o noticiário corrente, destacam que o acordo pode ser invalidado e citam como exemplo a suspensão das negociações da delação do ex-presidente da OAS Léo Pinheiro, após vazamento de suas denúncias na imprensa.

Por estas e outras, já não se exclui a possibilidade de que o próprio vazamento, tão divulgado pela mídia comercial conservadora, faz parte de uma estratégia com o objetivo exatamente de evitar que as graves denúncias do ex-executivo da Odebrecht sejam apuradas até as últimas conseqüências.

O governo golpista, usurpador e ilegítimo de Temer está muito preocupado com o que pode vir por aí. Mas o que se espera também é que todas as denúncias sejam checadas até as últimas consequências. Não se pode admitir que alguns políticos já mencionados como responsáveis por atos de corrupção, principalmente próceres do PSDB, sejam poupados na operação Lava Jato pelo juiz Sérgio Moro.

É inadmissível que o juiz mencionado intime um petroleiro, como Emanuel Cancela, que tem denunciado constantemente ações suspeitas na Lava Jato e deixe de lado, por exemplo, um Aécio Neves, presidente do PSDB, já acusado em outras ocasiões por irregularidades. ´

A continuar o procedimento de Moro, como assinala o petroleiro Cancela, atendendo a solicitação da Justiça dos Estados Unidos sobre a Petrobras, que pode colocar em risco a própria empresa petrolífera ao concordar plenamente com o pedido para que alguns ex-diretores corruptos da empresa sejam convocados pelo país estrangeiro. Dessa forma aumentarão as suspeitas de que o juiz de Curitiba age na base de dois pesos duas medidas e tem vínculos estreitos com os Estados Unidos.

Está ainda mais claro do que semanas atrás que o Presidente Temer não tem condições morais e políticas de continuar ocupando o governo. E para evitar o pior dos mundos, que seria uma convulsão social, a saída seria a convocação de eleições diretas para dar legitimidade ao ocupante do posto. O que não mais se pode admitir é que um Presidente da República continue nas mãos de um usurpador e que, segundo uma última pesquisa tem rejeição recorde e seria rejeitado nas urnas por 75% dos eleitores.

Em suma, por que não convocar o povo para decidir não só a eleição de um Presidente da República, como antecipar as eleições parlamentares?

Comentarios